História

Home / História
Foto panorâmica da Praça da Liberdade

Circuito Liberdade amplia articulação

com o espaço urbano e com os movimentos culturais

 

O Circuito Liberdade foi inaugurado em 2010 e já é reconhecido como um importante corredor de cultura do País. Abrigado em uma área histórica de Belo Horizonte (MG), é composto por 15 instituições, dentre museus, centros de cultura e de formação, que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico.

Sob a gestão do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), desde abril de 2015, o projeto busca agora uma maior articulação com o espaço urbano e os diversos grupos artísticos e populares, consolidando-se como um braço forte da política pública de Cultura do governo estadual.

O Circuito passa também por um processo de ampliação do seu perímetro de atuação, considerando os eixos da Avenida João Pinheiro e da Rua da Bahia, o que é traduzido em seu novo nome: Circuito Liberdade. Dentro desta perspectiva, o BDMG Cultural e a Academia Mineira de Letras passaram a integrar o complexo, com a composição de uma agenda integrada aos outros espaços já existentes.

Dentre os equipamentos culturais em funcionamento no Circuito, oito são geridos diretamente pelo Governo do Estado e os outros funcionam por meio de parcerias público-privadas ou parcerias com instituições públicas federais.

O Iepha pretende ainda aumentar a participação de grupos ligados à cultura popular de diversas regiões do Estado no Circuito Liberdade, com a implementação da Casa do Patrimônio Cultural de Minas Gerais, equipamento que ocupará o edifício da antiga Secretaria de Viação e Obras Públicas, também conhecido como “Prédio Verde”.

Equipamentos públicos sob a gestão do Estado

1)      Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa

2)      Palácio da Liberdade

3)      Arquivo Público Mineiro

4)      Museu Mineiro

5)      Centro de Arte Popular Cemig

6)      Cefart Liberdade

7)      BDMG Cultural

8)      Rainha da Sucata

Equipamentos em funcionamento em função de parcerias

9)      Espaço do Conhecimento UFMG

10)  MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal

11)  Memorial Minas Gerais Vale

12)  Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

13)  Horizonte Sebrae – Casa da Economia Criativa

14)  Casa Fiat de Cultura

15)  Academia Mineira de Letras


Equipamento a ser implementado

Casa do Patrimônio Cultural de Minas Gerais
       

Conheça um pouco mais os espaços do Circuito Liberdade:
 

1 - Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa

A Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa é um espaço democrático que propicia o livre acesso à leitura informativa e literária. Seu objetivo principal é reunir, preservar e disponibilizar o patrimônio bibliotecário de Minas Gerais.

Localizada na Praça da Liberdade e na Rua da Bahia, a Biblioteca foi criada em 1954. Seu prédio sede é um projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, construído no governo JK.

Com cerca de 260 mil títulos disponíveis, seu acervo reúne obras raras e representativas de escritores brasileiros e estrangeiros, uma importante coleção de autores mineiros, além de revistas e jornais - correntes e históricos -, livros de literatura, coleção infanto juvenil, títulos em Braille e áudio-livros. Também possui amplo acervo digitalizado. Conta ainda com teatro com capacidade para 220 pessoas, sala de cursos e galerias de arte.

Horário de Funcionamento:

Coleções Especiais e Hemeroteca Histórica: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

Braille, Periódicos e Infantojuvenil: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Aos sábados, das 8h às 12h.

Empréstimo, Passarela Cultural, Referência e Estudos e Sala de Estudos: de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. Quinta-feira: horário estendido até as 20h. Aos sábados, das 8h às 12h.

Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães: de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Aos sábados, das 8h às 12h.

Teatro José Aparecido de Oliveira: de acordo com programação.

Acesso gratuito. Mais informações: (31) 3269-1166.
 

2 - Arquivo Público Mineiro

O Arquivo Público Mineiro, órgão da Secretaria de Estado de Cultura, é responsável pelo recolhimento, guarda, gestão, preservação e acesso ao acervo arquivístico do Poder Executivo estadual e aos documentos privados de interesse público. Em suas dependências, os visitantes têm acesso a milhares de documentos, que remontam aos períodos colonial, imperial e republicano.

Alguns dos principais destaques passam pelo acervo fotográfico, mapas produzidos no século XVIII e XIX, documentos referentes à  Inconfidência Mineira, escravidão, movimento imigratório em Minas  e um conjunto de filmes que reúne curtas, documentários e solenidades que marcaram a história de Minas Gerais ao longo do século XX. Parte desse acervo pode ser acessado na internet, no Sistema Integrado de Acesso do Arquivo Público Mineiro.

O Arquivo Público Mineiro possui também uma biblioteca especializada em história de Minas Gerais e arquivologia, reunindo aproximadamente 10.500 títulos, dos quais 2.500 são considerados obras raras e preciosas.

O Arquivo Público Mineiro é a instituição cultural mais antiga do Estado. Criado em 1895, ainda na cidade de Ouro Preto, transferiu-se para Belo Horizonte em 1901, ocupando prédios provisórios e fixando-se, a partir de 1938, em uma imponente casa na Avenida João Pinheiro, 372, ao lado do Museu Mineiro.

Acesse o endereço eletrônico do Arquivo Público Mineiro e faça um passeio pela história de Minas Gerais: http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/

Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h

A entrada é gratuita. Mais informações: (31) 3269-1167
 

- Museu Mineiro

O Museu Mineiro está localizado na Avenida João Pinheiro, 342, ao lado do Arquivo Público Mineiro. Seu riquíssimo acervo documenta, de forma material e simbólica, momentos distintos da formação da cultura do Estado. Atualmente, são mais de 2.600 objetos, reunidos em 36 coleções vindas de acervos particulares e de outras instituições.

Antiga sede do Senado Mineiro, o prédio que é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico, integra o Circuito Cultural da Praça da Liberdade e está sob a gestão da Superintendência de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais. 

Uma curiosidade interessante: a constituição do acervo do Museu Mineiro teve início na época de criação do Arquivo Público Mineiro, ou seja, antecede em mais de 80 anos a sua inauguração. São pinturas históricas, achados arqueológicos, mobiliário, conjunto de moedas e de armas, imagens sacras e equipamentos litúrgicos, datados dos séculos 18 e 19. Além disso, o acervo da Pinacoteca do Estado - com pinturas, gravuras e esculturas – também foi incorporado ao acervo do  Museu.

Horário de Funcionamento:

Terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h.
Quintas-feiras, das 12h às 21h
Sábados e domingos, das 12h às 19h.

Acesso gratuito. Mais informações: (31) 3269-1109

4 - Centro Cultural Banco do Brasil 

O Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte foi inaugurado em 27 de agosto de 2013. O prédio foi cedido pelo Governo do Estado de Minas Gerais ao Banco do Brasil para abrigar a quarta unidade do CCBB no país.

O prédio de seis andares é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais e seu projeto arquitetônico foi concebido por Luiz Signorelli, fundador da Escola de Arquitetura de Minas Gerais. De estilo eclético, com influências neoclássicas e art déco, o prédio foi inaugurado em 1930 para sediar a Secretaria de Interior e Justiça.

O CCBB BH possui 1.200 m² de área para exposição; duas salas de exposição permanente; teatro com capacidade para 264 lugares; sala multiuso para atividades audiovisuais, debates, conferências, oficinas, palestras, atividades interativas e educacionais, além de ambientes de convivência, lazer, alimentação e loja para comercialização de produtos culturais. Ao todo são 8.000 m² abertos ao público e mais 4.000 m² que ainda serão abertos em uma próxima fase, totalizando 12.000 m² de área construída, o que coloca o CCBB entre os maiores espaços culturais do Brasil.

O CCBB Belo Horizonte recebe eventos nas áreas de artes cênicas, cinema, exposições, ideias, música e educação, oferecendo à população uma programação regular com qualidade, diversidade, a preços acessíveis, dirigida a todos os segmentos da sociedade e com ações integradas a iniciativas de responsabilidade social.

Horário de funcionamento: quarta a segunda, das 9h às 21h. A entrada é gratuita.


5 - Espaço do Conhecimento UFMG 

O Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes, contribuindo para o debate e a interlocução entre a academia e outros ambientes de formação.

Fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas de Minas Gerais, o Espaço integra o Circuito Liberdade, com uma programação sensível à diversidade e à multiplicidade cultural, explicitando o diálogo entre ciência e outros aspectos da vida cotidiana. É um museu dinâmico, que faz uso de recursos tecnológicos e audiovisuais em uma abordagem lúdica e interativa.

Um dos destaques do Espaço é o Terraço Astronômico. Nele, os visitantes podem observar o céu, com o auxílio de equipamentos e a orientação de especialistas em astronomia. Localizado no quinto andar, o terraço divide espaço com outra atração: o Planetário. A estrutura conta com o sistema digital Spacegate Duo e o projetor Skymaster ZKP4, ambos produzidos na Alemanha. Sua tecnologia faz com que o céu pareça real, tamanha a definição das imagens. O público tem uma visão 360º, experiência singular de cinema imersivo.


Horário de Funcionamento
: terça a domingo, das 10h às 17h.

Todo sábado, horário estendido das 10h às 21h. A entrada é gratuita.


6 – MM Gerdau -Museu das Minas e do Metal
 

O imponente edifício do MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal, popularmente conhecido como “Prédio Rosa” da Praça da Liberdade, abriga um importante acervo de duas das principais atividades econômicas de Minas Gerais: a mineração e a metalurgia.

O prédio começou a ser construído em outubro de 1895 com o objetivo de abrigar a Secretaria do Interior, que posteriormente sediou a Secretaria de Educação. Projetado pelo arquiteto José de Magalhães, o edifício obedeceu ao padrão arquitetônico adotado em todas as construções planejadas pela Comissão Construtora da Nova Capital – o estilo eclético, com predominância de elementos neoclássicos franceses.

Tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, em sua fachada se destacam as grandes colunas avermelhadas, executadas em pedras de calcário corado, semelhante ao mármore. Outra grande atração são as pinturas decorativas parietais em estilo eclético, descobertas embaixo de até nove camadas de tinta durante a restauração para abrigar o Museu das Minas e do Metal. O Prédio Rosa, que foi inaugurado junto com a capital em 1897, ainda abriga um dos primeiros elevadores de Belo Horizonte, de 1926, em pleno funcionamento.

Colocando a metalurgia e a mineração sob uma perspectiva histórica, as 18 salas do Museu apresentam de forma criativa o fascinante universo dos metais, dos minerais e de seus componentes. São 44 atrações sobre o tema, sendo 11 instalações dedicadas às principais minas do Estado.

Horário de Funcionamento: terça a domingo, das 12h às 18h.

Às quintas, das 12h às 22h. A entrada é gratuita.
 

7 - Memorial Minas Gerais Vale

Terceiro equipamento a ser aberto ao público, com inauguração em 30 de novembro de 2010, o Memorial Minas Gerais Vale, viabilizado por meio da parceria entre o Governo de Minas e a Vale, foi instalado no antigo prédio da Secretaria de Estado da Fazenda.

A iniciativa, com museografia de Gringo Cardia, enfoca a história geral do Estado.  A proposta do Memorial Minas Gerais Vale reúne, em um mesmo espaço, toda a riqueza cultural do Estado, desde o século XVIII até o cenário contemporâneo, incluindo uma perspectiva futurista. História, literatura, moda, patrimônio, tudo isso sob um recorte que apresenta o novo a partir da constituição da memória mineira.

Horário de Funcionamento: terças, quartas, sextas e sábados: das 10h às 17h30, com permanência até às 18h.

Quintas: das 10h às 21h30, com permanência até às 22h.

Domingos: das 10h às 15h30, com permanência até às 16h. 

A entrada é gratuita.
 

8 - Centro de Arte Popular - Cemig

Inaugurado em março de 2012, o Centro de Arte Popular - Cemig funciona no prédio do antigo Hospital São Tarcísio, localizado na Rua Gonçalves Dias, a poucos metros da Praça da Liberdade.

O espaço privilegia a riqueza e a diversidade das manifestações culturais populares, valorizando o trabalho dos artistas que traduzem no barro, na madeira e em outros materiais, o universo em que vivem. No Centro de Arte Popular - Cemig, o público pode conhecer obras de artistas de várias regiões do Estado como o Vale do Jequitinhonha, Cachoeira do Brumado, Divinópolis, Prados, Ouro Preto, Sabará e outras, fornecendo uma dimensão ampla da cultura mineira.

O centro tem também salas de exposição temporária para mostrar obras de artistas não só de Minas, mas de todo o país. O projeto do CAP é dos renomados arquitetos Janete Ferreira da Costa e Acácio Gil Borsoy. É o último projeto da dupla, já que Janete faleceu em 2009.


Horários de Funcionamento:

Terças, quartas e sextas-feiras, das 10h às 19h.

Na quinta-feira funciona das 12h às 21h e, aos sábados e domingos, das 12h às 19h.

A entrada é gratuita.

9- Palácio da Liberdade

O Palácio da Liberdade é um dos principais cartões postais de Belo Horizonte e um dos espaços do Circuito Liberdade. Prédio central do conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, o Palácio foi construído em estilo eclético com influência neoclássica. Inaugurado em 1897, o edifício serviu de moradia a vários governadores.

Entre 2004 e 2006, o Palácio passou pelo maior processo de restauração desde sua inauguração, com apoio do Instituto Oi Futuro, revelando verdadeiras obras de arte escondidas pelo tempo, como pinturas em paredes e forro, além de um belo pátio interno.

O espaço está provisoriamente fechado para obras e adequações. A previsão é que o local seja reaberto para visitação pública ainda este ano.
 

10 - Casa Fiat de Cultura

Após oito anos de atuação, 14 exposições e mais de 600 mil visitantes, a Casa Fiat de Cultura instalou sua nova sede no Palácio dos Despachos, edifício que integra o conjunto arquitetônico e histórico do Palácio da Liberdade. A instituição, mantida pelas empresas do Grupo Fiat, realizou completa revitalização e restauro do prédio, implantando a mais moderna tecnologia museológica dentro de padrões internacionais. Considerada um dos mais importantes espaços para discussão e exposição das artes no Brasil, a Casa Fiat de Cultura destaca-se pelo alto valor histórico, artístico e educativo de sua programação.

Além de grandes mostras inéditas reunindo acervos dos mais importantes museus e coleções do Brasil e do mundo, a instituição realiza programa de palestras, sessões de cinema e atividades educativas, e se destaca por oferecer experiências qualificadas e enriquecedoras para todos os públicos. Sempre com programação gratuita, entre seus objetivos estão a valorização do patrimônio, a circulação dos bens culturais e a difusão das culturas brasileira e mundial. A inauguração da nova sede da Casa Fiat de Cultura no Circuito Liberdade marca um importante momento para as artes em Belo Horizonte e fortalece a política da instituição de contribuir para a formação de público, ampliar o acesso à produção artística brasileira e internacional e promover o desenvolvimento humano e social.

Para receber grandes exposições, a nova sede da Casa Fiat de Cultura, passou por completa reforma. As adaptações fazem do local um dos mais bem equipados para receber exposições internacionais no Brasil, com tecnologia museológica, climatização, amplitude das salas expositivas e reserva técnica para receber obras de arte de alto padrão, equiparadas aos grandes museus do mundo.

Horário de Funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h | sábados, domingos e feriados das 10h às 18h. 

Entrada gratuita. Praça da Liberdade, 10 - Funcionários, BH/MG. Mais informações: (31) 3289-8900

11 - Cefart Liberdade

O Cefart Liberdade é uma unidade do Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart da Fundação Clóvis Salgado voltado para a música. O espaço possui aproximadamente 570 m2, com quatro salas para aulas individuais ou para pequenos grupos; duas salas de ensino coletivo, uma sala de estudo multiuso e uma sala de ensaio.

O Cerfat integra a política do Governo de Minas Gerais de fomento à formação em arte nas áreas de teatro, dança e música. Oferece cursos livres, técnicos profissionalizantes e de extensão a crianças, jovens e adultos, além de cursos em tecnologia do espetáculo, com disciplinas voltadas para iluminação, sonorização, figurino e cenografia.


Horário de funcionamento:

Segunda a sexta-feira, das 9h às 21h
 

Endereço e Contato:

Rua Sergipe, 884

(31) 3308-4700

12 - Casa da Economia Criativa

Ocupando uma antiga casa na rua Santa Rita Durão, o espaço resgata a cultura e a história da época em que foi construída (1910), dando um recorte nas experiências e nos casos populares da época por meio da exibição de trechos de obras de autores contemporâneos, tais como Carlos Drummond de Andrade, Ciro dos Anjos e Pedro Nava.

Um lugar acolhedor que deixa o público à vontade para interagir e obter todas as informações sobre empreendedorismo na economia criativa. Espaço propício para a geração de novas ideias, para a troca de experiências entre criativos e para a promoção de ações capazes de fomentar a economia criativa no Estado.

A Casa da Economia Criativa apoia os setores criativos baseada em eixos estratégicos que envolvem questões relacionadas à FORMAÇÃO, INFORMAÇÃO e COOPERAÇÃO. Todas as atividades são organizadas com foco na geração de ideias para a viabilidade dos empreendimentos criativos.

Foi pensada para o atendimento aos setores envolvidos em atividades da economia criativa e para potencializar as ações do Circuito Liberdade.

Horário de funcionamento:

Segunda a sexta-feira - 9h às 18h

Mais informações: (31) 3285-2622

Acesso Gratuito


13 - BDMG Cultural

O BDMG Cultural é um instituto que há 27 anos realiza ações na área da música, das artes visuais e das artes cênicas. Braço cultural do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, a instituição acredita que a cultura faz parte do desenvolvimento e está diretamente ligada a qualidade de vida. Suas ações culturais abrem espaço para jovens, novos e consagrados artistas. A galeria de arte promove exposições abertas à visitação diariamente, inclusive aos finais de semana e feriados.

Horário de funcionamento:

Todos os dias, inclusive aos domingos e feriados - 10h às 18h
 

14 - Academia Mineira de Letras

A Academia Mineira de Letras foi fundada na cidade de Juiz de Fora, em 1909, por um grupo de jornalistas, escritores e profissionais ligados à literatura e à cultura. Em 1915 a instituição foi transferida para Belo Horizonte e, em 1987, passou a ocupar o Palacete Borges da Costa, ganhando posteriormente um anexo para receber eventos e reuniões. O conjunto das edificações se destaca pelo contraste do clássico – palacete, verdadeiro relicário – e o moderno arrojado e funcional – auditório. O espaço abriga um acervo de 28 mil títulos e 32 mil exemplares, entre obras raras e únicas, inclusive de produção literária dos acadêmicos.

Horário de Funcionamento:

Segunda a sexta, das 14h às 19h e de acordo com a programação de eventos. 

Entrada gratuita.

Rua da Bahia, 1466 - Lourdes, BH/MG.

Mais informações: (31) 3222 5764      


15 – Rainha da Sucata    

O prédio do Rainha da Sucata abriga o Centro de Informação ao Visitante (CIV) do Circuito Liberdade e o Hub Minas Digital, projeto da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes).

O CIV tem uma equipe que dispõe de todas as informações sobre o funcionamento e a programação dos espaços do Circuito Liberdade.  Os atendentes estão capacitados para atender turistas de outros países em inglês, francês e espanhol e prestam informações turísticas também sobre Belo Horizonte e Minas Gerais, graças à parceria com a Secretaria de Estado de Turismo (Setur) e a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur).

O Hub Minas Digital é um espaço de coworking que oferece infraestrutura moderna, estações de trabalho, ambiente para cursos, workshops, mentorias, área de convivência e conexão com o ecossistema de inovação mineiro.

Com projeto dos arquitetos Éolo Maia e Sylvio de Podestá, o edifício Rainha da Sucata se destaca pela concepção ousada e pelo uso de materiais diversos e cores fortes nas fachadas. A diversidade de elementos, formas e cores buscava informar aos usuários a opção arquitetônica pelo emprego de materiais marcadamente regionais, como o quartzito, a ardósia, a pedra-sabão e o aço produzido nas siderúrgicas mineiras. Apesar de acompanhar a altura e o volume dos prédios históricos que compõem o conjunto arquitetônico da Praça da Liberdade, buscando um “diálogo” com seu entorno imediato, o edifício recebeu da população da cidade o apelido de “Rainha da Sucata”, pela associação de sua extravagância com uma telenovela com este mesmo título que teve grande sucesso no ano de 1990. O edifício também abrigou, durante quase dez anos, o Museu de Mineralogia Djalma Guimarães, cujo acervo hoje se encontra no Museu das Minas e do Metal, localizado na edificação vizinha.

Horário de Funcionamento do CIV: 

Terça, quarta, sexta, sábado e domingo, das 9h às 18h; e na quinta-feira, das 9h às 21h.

Não funciona às segundas-feiras.


Casa do Patrimônio Cultural de Minas Gerais (espaço a ser implementado)

O edifício da antiga Secretaria de Viação e Obras Públicas, também conhecido como Prédio Verde, que compõe o Circuito Liberdade, foi projetado pelo arquiteto José de Magalhães e teve sua construção empreendida pela Construtora da Nova Capital, entre os anos de 1895/1897. Sua arquitetura compõe o estilo eclético, mesclando elementos da arquitetura clássica francesa, neobarroca e a renascentista italiana.

No edifício, será implementada a Casa do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. O espaço irá abrigar a sede do Iepha, que funcionou na Praça da Liberdade por quase 20 anos, além de biblioteca, ateliê de restauro aberto e espaço expositivo. Também será a sede da Comissão Mineira de Folclore e dos conselhos de Cultura e de Patrimônio. No local, serão recebidas as manifestações da cultura popular, para implementação das políticas de salvaguarda junto às comunidades tradicionais (comunidades quilombolas, indígenas, ribeirinhas, congadeiros, folia de reis, benzedeiras, queijeiros, etc) e para o atendimento às prefeituras, em projetos ligados à Cultura e ao Patrimônio.


Com a Casa do Patrimônio, será feita a inclusão dos grupos ligados à cultura popular de diversas regiões do Estado, e também da capital, ao Circuito Liberdade.
 

Informações para imprensa 

Clarissa Menicucci – coordenadora de Comunicação

3235-2817 / 98210-0329

Sandra Nascimento – assessora de imprensa

3235-2817/2837 / 9776-0141