Exposição “Bordado Reinventado” comemora os cinco anos do CAP

 São mais de 100 peças feitas com várias técnicas na mostra que também celebra o Dia do Artesão

 

Agulhas, linhas e delicadeza resultam em uma manifestação artística preciosa: o bordado.  E o Centro de Arte Popular Cemig – CAP reuniu o trabalho de bordadeiras de diversas regiões de Minas, que podem ser vistas pelo público até 28 de abril. A mostra celebra os cinco anos do espaço e também integra as comemorações do Governo de Minas Gerais pelo Dia do Artesão, celebrado no dia 19 de março. A entrada é gratuita.

 “Bordado Reinventado” exibe cerca de 100 peças confeccionadas com as mais variadas técnicas, que resultaram em trabalhos ricos em detalhes. Dentre as obras, algumas curiosas, como peças íntimas da década de 1950 bordadas a mão, pertencentes à família Bias Fortes, além de outras baseadas nas obras de Guimarães Rosa, feitas pelo coletivo de bordadeiras Estrelas do Sertão, da cidade de Codisburgo.

 Para o secretário de Estado de Cultura Angelo Oswaldo, nada mais genuíno no artesanato mineiro que o bordado. “É uma prática que vem dos hábitos cotidianos da mulher e do homem, já que muitos deles também se destacam como bordadores. Esta exposição sublinha o requinte do trabalho manual nas diversas regiões de Minas Gerais e é uma síntese do que há de melhor no próprio bordado do Brasil”, declara ele.

 O secretário de Estado de Desenvolvimento e Fóruns Regionais, Wadson Ribeiro, afirma que, é uma justa homenagem aos profissionais do setor, além de valorizar a cultura mineira. “Existe uma grande importância da atividade artesanal na história de Minas. Hoje, notadamente, o setor se caracteriza por um forte veio das economias regionais e uma das mais belas representações de nossa cultura”, afirma ele.

 As artesãs comemoram a oportunidade de expor os trabalhos no museu. Para Iris Ferreira Lana, 58 anos, que integra a Associação Barralonguense de Bordadeiras e Artesãos, em Barra Longa, no Território Caparaó, a expectativa é de recomeço profissional e aumento nas vendas, já que o local onde ela morava foi destruído após uma tragédia ambiental que atingiu a região. “Para mim, especialmente, é um momento importante de retomada do bordado e de captar novos clientes. Estou retomando o bordado que a lama levou”, desabafa.

 Dia do Artesão

 O Dia do artesãoé uma iniciativa do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Secretaria Extraordinária de Estado de Desenvolvimento Integrado e Fóruns Regionais (SEEDIF) – em parceria ainda com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE-MG) e Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (IDENE).

 

Programação completa:

Semana do Artesão e 5º Aniversário do Centro de Arte Popular – Cemig

 EXPOSIÇÃO

Até o dia 28 de abril.

Centro de Arte Popular – Cemig

Rua Gonçalves Dias, 1608, Funcionários.

 

Exposição Mini Mundo – Artista Popular Willi de Carvalho

Até 30 de março, de 09h às 18h

Galeria do SEBRAE Minas

Avenida Barão Homem de Melo, n° 329, Nova Granada.

 

Palestra Artesanato: tendências e mercado com Sabrina Campos Albuquerque, Analista Técnica do Artesanato do SEBRAE Minas.

22/03 (quarta-feira), às 19h

Centro de Arte Popular – Cemig

Rua Gonçalves Dias, 1608, Funcionários.

 

Palestra Comercializar: problema ou solução? Com Tânia Machado, Presidente do Centro DE Arte Popular Cemig.

23/03 (quinta-feira), às 19h

Centro de Arte Popular – Cemig

Rua Gonçalves Dias, 1608, Funcionários.

 

Cadastramento

 A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Integrado e Fóruns Regionais (Seedif) vai promover no dia (19/03), no Museu Abílio Barreto, um mutirão de cadastramento para obtenção da Carteira Nacional do Artesão e do Trabalhador Manual. Para participar, o artesão precisa preencher pré-cadastro, pela internet, no link https://goo.gl/forms/axcvtniNLiO0wKLn1.  As vagas são limitadas.

 Evento de Cadastramento do Artesão Mineiro

19/03 (domingo), de 09h às 17h

Feira de Artesanato Charme Chique – Museu Abílio Barreto

Av. Prudente de Morais, 202 - Cidade Jardim.

 

Centro de Arte Popular Cemig

 O Centro de Arte Popular Cemig é o espaço ideal para uma verdadeira imersão na nossa cultura de raiz. Localizado na Rua Gonçalves Dias, número mil seiscentos e oito, próximo à Praça da Liberdade, sua edificação principal data da década de mil novecentos e vinte, e segue as características do ecletismo. Inicialmente construído para uso residencial, foi também sede do antigo Hospital São Tarcísio. Posteriormente, o prédio foi reprojetado pelos arquitetos Acácio Gil Borsoi e Janete Costa para instalar o Centro de Arte Popular – Cemig.

 Espaço privilegiado de divulgação e apreciação da arte popular de todo o Estado de Minas Gerais, o acervo do museu, que integra ao Circuito Cultural da Praça da Liberdade e está sob a gestão da Superintendência de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, conduz o visitante ao imaginário de diferentes artistas. Por meio de suas obras, somos conectados às origens, histórias e crenças de um povo que traz nas mãos as referências próprias da cultura mineira.

 Horário de Funcionamento:

 
Às terças, quartas e sextas-feiras, de 10h às 19h. 

Às quintas-feiras de 12h às 21h 

Aos sábados e domingos, de 12h às 19h.

 

Faça um Comentário:

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *